30 de jun de 2008

Eu e o anti-HISTAMÍNICO

Fim de semana fiz uma solo trip de carro pro Rio de Janeiro. Sabe como é... visitar os pais e levar o carro pra fazer vistoria (carros do Rio precisam fazer isso todo ano, bleh!).
Me deu arrepio de pensar em dirigir 6 horas sozinho, mas sabe que no final das contas não foi nada ruim?

Cara, foi praticamente uma meditação em movimento. Foi muito bom, eu tive tempo pra refletir sobre MUITAS coisas na minha vida que há muito eu me dizia "depois eu penso nisso"... pensei em dinheiro, relacionamentos, amigos e até mesmo fiquei repassando os moves da Fenda do Maluf (primeira parte, claro) pra quando voltar no Visual.
Ah, a única diferença é que eu não podia atingir o nirvana, tinha que continuar prestando atenção na estrada (o que ficou um pouco difícil mais pro final da viagem).

O fim de semana foi show.
Seria muito melhor se não fosse pela MONSTRUOSA REAÇÃO ALÉRGICA que eu tive na madrugada do sábado. Minhas mãos começaram a coçar freneticamente, então minha pele começou a arder... quando me levantei e me olhei no espelho TODO EMPOLADO, parecia um homem-lagarto de um filme de terror daqueles bem B mesmo.
Corre pro hospital e dá-lhe injeção de anti-histamínico na bunda do caboclo. CACETE aquilo derruba, passei o domingo inteiro grogue e sem chances de voltar pra Campinas dirigindo. Sendo assim capotei e acordei as 4 da matina pra voltar e cair direto pro trabalho.

Adivinha o que eu vou fazer ASSIM que chegar em casa hoje? Bom, depois de acordar as 4 da manhã, dirigir 6 horas e trabalhar o dia inteiro, só há uma única opção:
SAIR, hahahaha

(brincadeira... ou não)

23 de jun de 2008

Pára e pensa.

Outro dia me deu um estalo. Assisti um vídeo sobre sustantabilidade em um blog, parei, pensei e resolvi comprar uma bicicleta... estava pensando em comprar um celular novo, mas resolvi comprar uma bicicleta... o Nicho comprou uma moto nova (parabéns Nicho, aquela tava na hora de ir mesmo hehe), e eu também estava pensando em comprar uma, mas eu resolvi comprar uma bicicleta... eu tenho que pagar meu pai, mas resolvi comprar uma bicicleta.

// VOU TIRAR UMA FOTO DELA E COLOCAR AQUI //

O vídeo falava sobre como a gente compra coisas novas quando as nossas "velhas" ainda funcionam perfeitamente, a gente compra um celular novo só pq é mais bonito e joga o "velho" fora. Lindo, a economia gira e o planeta chora. Daí eu comecei a pensar também na agência que eu trabalho: 10 funcionários e 8 carros parados na frente. Pára pra pensar, é meio absurdo isso. Pára e presta atenção também na quantidade de carros nas ruas com UMA pessoa dentro, é bem absurdo. Daí eu TAMBÉM comecei a pensar sobre como eu só faço exercício anaeróbico no treino e pensei que seria bom fazer um pouco de aeróbico e eu moro a apenas 4 km do trabalho, mas ir correndo para o trabalho ia levar muito tempo, então pq não comprar uma bike???
Se você parar pra pensar nem é uma idéia mirabolante, pelo contrário, é até meio óbvia, mas eu me surpreendi com o quão perfeita ela é.

Pára e pensa:
Eu posso acordar um pouco mais tarde,
vou pedalando pro trabalho e faço um exercício sussa de manhã,
economizo com combustível,
chego no trabalho MAIS RÁPIDO que de carro,
no trabalho eu tomo um banho e me arrumo BEM mais rápido do que em casa (pq eu já despertei e em casa com sono eu demoro pra caramba pq ainda tô zumbi),
depois do trabalho eu vou pedalando pro ginásio treinar e já chego lá aquecido,
depois do treino eu volto pedalando pra casa, chego em menos de 10 minutos cansadão fisicamente mas me sentindo muito bem, daí durmo MEGA bem e mais cedo do que quando eu fico preguição.

Demais não? e ALÉM DE TUDO ISSO... é menos um carro rodando e poluindo.

Claro, eu também não sou um extremista e, portanto, eu não vou deixar de ter um carro, preciso dele pra viajar, pra escalar e vou usá-lo nos fins de semana e dias de chuva, mas pára e pensa, eu só tô usando ele 30% do tempo que eu usava. Cool ain't it?
Eu também não sou um hipócrita e sei que ainda faço muita coisa errada nesse aspecto, mas um dia eu chego lá, hehehe. O próximo passo é trocar TODAS as minhas pilhas por pilhas recarregáveis.
Eu sei, eu sei, já era pra ter feito isso há muito tempo... sorry.

Um detalhe é que alguma falaram: "HA! Eu dou uma semana pra você desistir!"
Guess what? A primeira semana eu já venci, mesmo com o frio que tem feito e tô curtindo DEVERAS. Mas o legal é que muitas pessoas acharam o máximo e me deram apoio, algumas até falaram "Pô queria trabalhar um pouco mais perto pra fazer o mesmo!". Só meu pai que ainda não sabe que eu vou demorar mais para pagá-lo, mas pai, é por uma boa causa, hehehe.
Realmente espero continuar a usar a Neide por MUUUUITO tempo (ela foi carinhosamente batizada de "Neide". Não pergunte o porquê, HAHAHA).

PS: Pra quem curte o assunto, vale muito a pena ver o vídeo (AQUI). É em inglês, mas no youtube tem ele com legenda, mas aí vocês se virem pra achar, hehehe.

16 de jun de 2008

To hell and back Pt. 2

... depois de uma leve volta na praça de alimentação nada de apetitoso encontrei, então pensei:
"Eu vim até sampa, pelo menos vou rangar num lugar MASSA que valha a viagem". A Bruninha deu a idéia de ir no Hooter's, que é um restaurante que eu curto muito, certamente era o próprio Diabo manipulando suas palavras em mais um de seus jogos sádicos, porém eu (depois de ligar para conhecedores da cidade e averiguar que era longe de lá) sensatamente respondi com um "NEEEEEEM, muito trampo."

Liguei pro André que é um profundo conhecedor de oasis gastronômicos de Gotham City (apelido carinhoso que o Fro deu à capital do inferno). Ele me deu uma sugestão de uma lanchonete ali perto do Shopping Ibirapuera... SHOW DE BOLA...

- "Ele fica numa rua aí do lado."
- "Qual o nome da rua?"
- "Eu não lembro."
- "E o nome do lugar?"
- "Eu não lembro, mas é sossegado de achar."

PAUSA PARA REFLEXÃO: É fato sabido que em qualquer situação que envolve risco, frases com "MAS" são invariavelmente frases que precedem a desgraça.
Exemplo:
- "João, você sabe usar esse revolver?"
- "Não, mas eu aprendo"

Eu, mais uma vez ingenuamente, saí do Shopping Ibirapuera à procura da lanchonete X, localizada na rua Y... 2 incógnitas + são paulo = fórmula da trajédia

Depois de algumas voltas inúteis no quarteirão e alguns gritos e urros de desespero gerados pelo labirinto que é composto pelos rios de piche do inferno (vulgarmente chamados de ruas) eu óbviamente não achei o lugar, foi então que o capeta teve a BRILHANTE idéia de mais uma vez tomar posse da mente da Panga, que já estava estafada e corrompida pelo ar poluído do inferno e não mais pensava com clareza e assim externalizou:

- "Vamos no Hooter's de uma vez, já que você gosta e queria ir."
- "AH, que se foda, vamos lá."
(não foi exatamente assim, mas como licensa poética simplifico para mais fácil entendimento da história)
- "Pq você não pergunta pro seu GPS o caminho?" (tom sarcástico neste momento após vários insultos à tecnologia do mundo moderno)

Qual não foi minha surpresa quando nos POI (Points Of Interest) do gps HAVIA SIM cadastrado o Hooter's Sport Bar. Select POI > Go To... e lá fomos nós para o Hooter's Sport Bar, 26km distante de nós, guiados pelo meu GPS que foi carinhosamente apelidado de Pinóquio (MUITO BEM APELIDADO DIGA-SE DE PASSAGEM)

Mais uma vez: se fosse um filme de terror, apareceria por cima da imagem o rosto translúcido do cão gargalhando e aquela risada malígna ao fundo.

Fazendo um atalho na história, mas não no caminho tomado, claro... chegamos ao local indicado pelo GPS. Olhamos para os quatro lados e, estranhamente, não avistamos o local. Em meio a alguns comentários do tipo "tá vendo, odeio essa tecnologia" que quase me fizeram desferir uma cotovela para a direita, eu não entendia como o restaurante podia NÃO ESTAR LÁ, afinal de contas o GPS falava que ele estava ali.
Liguei para a xexelenta da Débora para confirmar o endereço do lugar e fui até um posto perguntar para o frentista que não conhecia a rua e muito menos o restaurante, até que apareceu um rapaz em um Vectra que me parecia um mais provável conhecedor de um restaurante como o Hooter's:

- "Cara, desculpa incomodar. Você sabe onde fica a Rua José Guerra?"
- "Rua José Guerra???"
- "É... onde fica aquele restaurante Hooter's"
- "AAAHHH, mas o Hooter's fica em São Paulo

descrição do meu pensamento: DEEEEEEER

- "Sim, (e com tom sarcástico) nós ESTAMOS em São Paulo"

- "HA (risadinha devolvendo o tom sarcástico). Não meu amigo, você tá em São Caetano do Sul. Você tá no ABC."


... eu tenho certeza que a minha expressão foi deveras parecida com essa.

Visualize nessa hora a face do mal na tela em gargalhadas ininterruptas enquanto a tela escurece e os créditos começam a subir.

Resumo da ópera: o MALDITO Pinóquio estava com algum cadastro errado ou desatualizado e me mandou PRA SÃO CAETANO DO SUL NO ABC PAULISTAAAAA!!! AAAAAAAAAARRRRGHHH!!!
Nessa altura do campeonato já eram OITO HORAS DA NOITE e eu não tinha comido nada. Ainda por cima o cara foi extremamente gente boa e indicou uma churrascaria muito boa pra nós. Fomos, jantamos e iniciamos nosso tardio retorno a Campinas... desolados, desacreditando na ODISSÉIA em que tivemos a capacidade de nos meter e desanimados em pensar na jornada que ainda nos aguardava já cansados.

Como diz o Cris: "Tudo é treino", e uma coisa eu garanto... MUITAS risadas fizeram do dia uma experiência no mínimo inusitada para se contar história.


FIM

10 de jun de 2008

To hell and back Pt. 1

Sabadão fui pra São Paulo, vulgarmente conhecido como "O INFERNO".
Sim, a cidade foi projetada pelo "CÃO" em pessoa. Foi ele quem plantou cada spectro voador conhecidos como motoboys, foi ele quem desenhou cada acesso de bairro que te leva a um lapso no espaço/tempo caso você pegue o errado fazendo com que você rode por uma breve eternidade até conseguir voltar ao caminho certo, foi ele que pintou o céu no mais perfeito tom de azul daltônico possível (NÃO, NÃO É ASSIM QUE EU VEJO O CÉU EM QUALQUER LUGAR QUE EU VOU).

Claro que eu não ia pro quinto dos infernos sozinho, eu tinha que arrastar uma alma desafortunada para sofrer junto comigo pela breve eternidade de um dia.
Eu precisava de uma alma pura e bondosa, alguém que, apesar de estar se condenando a infrentar a arquitetura da própria Wyrm, seria autruísta e não teria coragem de me abandonar e falar um "NEM FODENDO" na minha cara; foi assim que entrei no GTalk e falei:

- "Panguinha, você vai pra sampa comigo no sábado pra me fazer companhia".

Como esperado, a bondosa alma disse: "Eu ia sair com uma amiga minha que não vejo a muito tempo, mas tudo bem, eu te faço companhia".

Pergunta: PRA QUE IMPRIMIR O MAPA COM O CAMINHO ANTES DE IR PRA UMA CIDADE ONDE VOCÊ NÃO SABE ANDAR???
Resposta: Pra que servem os amigos que moram lá? HEHEHE

O Frossard fez a caridade de explicar mega bem, e chegamos lá numa boa. Mandei a Panguinha passear no Shopping Ibirapuera enquanto fui pro meu compromisso, do qual eu esperava sair por volta das 17h, mas felizmente acabou antes das 16h.

Assim que entrei no estacionamento do Ibirapuera eu liguei pra Panga perguntando onde ela estava e ingenuamente falei:
-"Beleza, já tô no shopping, tô chegando".

Mal sabia eu que o inferno tem seus jogos sádicos. Na parte do estacionamento que eu entrei não tinha vaga, então tive que ir para o estacionamento coberto: para fazer isso eu precisei SAIR DO MALDITO SHOPPING E ENTRAR DENOVO PELO OUTRO LADO, mas obviamente no primeiro nível do estacionamento coberto também não havia vaga, então a simpática funcionária do lago de fogo falou:

- "Vai direto pro P4 que tá mais tranquilo" e eu ingenuamente perguntei

- "Por onde eu vou?"...

se fosse um filme de terror a luz ia diminuir e um feixe de luz vinda de baixo iluminaria o rosto da mulher cuja a face assumiria uma expressão sombria e malígna enquanto ela respondia com uma voz retumbante e com eco:

- "Você precisa sair do Shopping e entrar novamente" e seria seguida de um assombroso:
mmmwwwAAAAAH HA HA HA HA !!!

QUE DIABOS DE LOGÍSTICA É ESSA QUE SE PRECISA SAIR DO SHOPPING PRA MUDAR DE NÍVEL NO ESTACIONAMENTO?

Dar a volta no quarteirão me custou mais 30 MALDITOS MINUTOS e um total de 1:15h pra conseguir encontrar a pobre coitada da Bruninha que já estava definhando de tédio.

(...continua)

4 de jun de 2008

I've got to rock to stay alive

Ultimamente tenho ouvido muita coisa nova. Nova em todos os sentidos: coisas que não conhecia e que também são de bandas recentes, afinal, pra não enjoar você precisa sempre procurar coisas novas pra ouvir.

Para mim, na vida tudo é cíclico, música então nem se fala, então depois de um bom tempo sempre procurando coisas novas e diferentes pra ouvir começa a bater aquela sensação de "Caramba, queria ouvir alguma coisa 'DA HORA', alguma coisa 'PEGADA', alguma coisa NOVA!!!", e sempre que isso acontece eu sempre encontro essa coisa "nova e diferente" nas bandas antigas e que escutava muito há alguns anos atrás.
Assim sendo agora estou ouvindo os últimos álbuns do Saxon e o novo single deles que é perfeito pra explicar essa sensação de nostalgia... Gotta rock to stay alive.

 
Clicky Web Analytics